domingo, maio 31, 2009

Ministério Público promove seminário sobre Direito à Comunicação

Na última terça-feira, 26 de maio, representantes da mídia, do governo federal e do ministério público discutiram os direitos dos cidadãos à Comunicação Social

Diversidade cultural na mídia, classificação indicativa na TV aberta e os problemas da publicidade para crianças foram alguns dos temas debatidos no seminário coordenado pela procuradora Federal dos Direitos do Cidadão, Gilda Carvalho. "Hoje inauguramos um espaço democrático, e temos um foco: contribuir para o aperfeiçoamento das instituições democráticas, dentre as quais a Comunicação tem um papel fundamental", declarou a doutora ao final do evento.

Pela manhã, foi discutido o conteúdo que deve ter a televisão. A lei diz que a programação televisiva tem a obrigação de ir além do entretenimento: educação, cultura, arte e informação são exigidas. Um dos problemas levantados foi o vencimento das concessões públicas de diversas emissoras comerciais no ano passado, que continuam funcionando sem autorização. Muitas dessas emissoras não respeitam a lei no que diz respeito a um mínimo de programação cultural e educativa.

Diversidade cultural na televisão

A discussão das concessões também esteve presente no segundo painel, à tarde. Para Diogo Moyses, do Coletivo Brasil de Comunicação Social Intervozes, "o simples fato de alguém ter que administrar os canais de informação, no caso o governo, já impõe uma restrição à liberdade de expressão. Por isso temos que garantir que eles sejam bem administrados. A hegemonia das emissoras comerciais não pode continuar. Deve haver um equilíbrio entre Comunicação pública, estatal e comercial. O mercado não garante direitos, não garante cidadania, para isso a sociedade tem que se organizar. Espero que isso aconteça na Conferência Nacional de Comunicação".

O secretário da Diversidade e Identidade Cultural do Ministério da Cultura, Américo Teixeira, apresentou dados de uma pesquisa recente do IBGE, que revela a presença de videolocadoras em 75% dos municípios brasileiros. "É fundamental entender o impacto do cinema distribuição de cultura no Brasil. A hegemonia audiovisual norte-americana transmite todos os seus valores aqui, e nós não conseguimos mostrar a diversidade cultural do nosso próprio país. Aqui dentro temos mais de 225 povos, que falam mais de 180 línguas, e ninguém os conhece. Temos que pensar diversidade e mostrá-la" explica o secretário.

Classificação Indicativa nas TVs por assinatura

Segundo o representante da Associação Brasileira de TVs por Assinatura (ABTA), o advogado Marcos Alberto Bitelli, a televisão fechada foi a mais proativa na adoção da classificação indicativa. Um dos pontos positivos, é o fato de os pais poderem controlar a programação através de uma senha, quando não querem que seus filhos vejam programas contendo sexo, violência ou consumo de drogas.

Esse controle ainda não é suficiente, na opinião do promotor Domingos Silveira, do Grupo de Trabalho de Comunicação Social da Procuradoria, " a auto-avaliação das TVs por assinatura não é suficiente. Temos que encontrar instrumentos para regulamentá-las". Para Silveira, "a TV a cabo representa um perigo a mais para a criança e o adolescente. Ela tem uma aura de qualidade, e a gente acha que tudo que está na Discovery Kids é bom, mas não é".

Publicidade e criança, uma mistura polêmica

"Antes de sermos cidadãos, somos consumidores, e a criança moderna se socializa a partir do consumo" declarou o Representante da Associação Brasileira de Anunciantes, Rafael Sampaio, "o que temos que fazer é ensiná-las como conviver com a publicidade". Na opinião da associação, qualquer restrição à publicidade seria uma violação da liberdade de expressão. Apesar de reconhecer a existência de alguns abusos, Sampaio defende a auto-regulamentação do setor, a exemplo dos Estados Unidos, onde não se veicula mais propaganda de cigarros.

A opinião do Instituto Alana, no entanto, é bem diferente: "A criança até os seis anos não sabe diferenciar conteúdo de publicidade, e quando começa a fazer a diferenciação, ainda não entende o caráter persuasivo de uma propaganda", explica Isabella Meira Henriques. "No artigo 37 do Estatuto da Criança e do Adolescente, está assegurada a integridade psíquica da criança. Ora, a publicidade para o público de até 12 anos é ilegal em sua essência" analisa a palestrante. Para o Instituto, a publicidade de produtos infantis deve ser feita apenas em horários específicos, voltada para os pais, a exemplo da TV Cultura.

O diretor do Conselho Federal de Psicologia (CFP), Ricardo Moretzsohn, também reconheceu os danos da publicidade para a criança. "O posicionamento oficial do CFP é que toda publicidade voltada ao público infantil deve ser proibida. O consumismo é um distúrbio. crianças não nascem consumidoras, isso lhes é passado. Que cidadãos queremos formar pro mundo, consumidores desesperados ou indivíduos críticos?" questiona o psicólogo.

domingo, maio 24, 2009

"Muitas perguntas
Que afundas de respostas
Não afastam minhas dúvidas
Me afogo longe de mim
Não me salvo
Porque não me acho
Não me acalmo
Porque não me vejo
Percebo até
Mas desaconselho...

Espero a chuva cair
hum, huuum...."

sábado, maio 23, 2009

melhor presente de aniversário.

"18/05/2009

Vie et lutte des Sans terre dans le Sud du Brésil

310545200.jpg"Engagement corps et âmes. Vie et lutte des Sans terre dans le sud du Brésil". Ce lundi 18 mai, jour de l'anniversaire de sa fille Mel, Susana Bleil a soutenu sa thèse à l'Ecole des Hautes Etudes en Sciences sociales durant trois passionnantes heures, devant un jury de six chercheurs et professeurs d'Université.

A l'issue des délibérations, Susana a obtenu son Doctorat de Sociologie avec mention Très Honorable, à l'unanimité du jury et avec ses Félicitations !

Pour en savoir plus, téléchargez et lisez le petit résumé de ce travail de près dix années, travail que nous espérons bientôt retrouver édité sous la forme d'un livre : Susana Bleil, Thèse de Sociologie, résumé.doc

Bravo, bravo, bravo Susana !"

fonte: http://cheminsdetraverse.rsfblog.org

Estudantes de comunicação do Centro-Oeste se reúnem em Dourados-MS

Três dias de atividades diversas incentivaram os alunos a se prepararem para a 1ª Conferência Nacional de Comunicação

Crédito: Mel Bleil Galo

Durante os dias 15, 16 e 17 de maio, estudantes do Distrito Federal, Mato-Grosso e Mato-Grosso do Sul se reuniram em Dourados-MS para debater a comunicação como um direito humano. No Encontro Regional dos Estudantes de Comunicação Social (Erecom), palestras, debates, oficinas e festas garantiram a integração dos alunos das 8 universidades e faculdades representadas. Discussões sobre os diferentes currículos, regras de estágio, condições de assistência estudantil, regulamentação da profissão do publicitário e obrigatoriedade do diploma para o jornalista, preencheram o fim de semana dos alunos, que agora se preparam para a 1ª Conferência Nacional de Comunicação, a Confecom.

Para Milena Cardinal, integrante da Comissão Organizadora do encontro e estudante de jornalismo do Centro Universitário da Grande Dourados (Unigran), os espaços mais importantes do Erecom são os grupos de discussão. "A gente teve dificuldade em trazer as bandeiras da Enecos (Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social) para os alunos em geral, pois ainda existe muita resistência às discussões do movimento estudantil. Os grupos de discussão são ótimos nesse sentido, pois permitem que os estudantes conversem sobre os temas, conheçam a realidade de outras faculdades e construam opiniões coletivas" explica a aluna.

Com o objetivo de sensibilizar os alunos para o movimento estudantil de comunicação social, apelidado de Mecom, foi incluído na programação um painel explicando passo a passo a organização dos estudantes do curso no Brasil. "Foi uma idéia genial! Eu não entendo como a gente nunca pensou nisso antes. Se queremos trazer mais gente para o Mecom temos que explicar como que ele funciona e qual a importância dele para os estudantes e a sociedade em geral", defende Mariana Freitas, coordenadora nacional da Enecos e estudante de jornalismo da Universidade Federal do Mato Grosso.

Crédito: Mel Bleil GaloA iniciativa já trouxe resultados. No encontro foi montada uma comissão estudantil com 5 alunos, responsável por organizar as atividades e discussões do Mecom no Centro-Oeste. "Agora o nosso foco tem ser a Conferência de Comunicação, vamos levar o debate para as universidades, e conscientizar os alunos sobre o nosso papel nesse espaço", afirma Caio Bruno, membro da comissão pró-conferência nacional de comunicação e estudante de jornalismo da Universidade Católica de Brasília (UCB). Em Dourados, por exemplo, já está prevista para o segundo semestre de 2009 uma semana acadêmica voltada para mobilizar os alunos para a conferência.

Em Brasília, a primeira atividade sobre a Confecom já tem data. Na quarta-feira, 03 de junho, será realizado na UnB o dia da Democratização da Comunicação. O evento tem como objetivo o debate sobre o papel das conferências nacionais, em especial a de Comunicação. Foram convidados pesquisadores, alunos e atuantes na democratização da comunicação, para participarem de palestras, oficinas e outros momentos culturais. A organização é em parceria com a Enecos, os Centros Acadêmicos de Comunicação Social da UnB, do Centro Universitário de Brasília (UniCeub) e da UCB, além do Diretório Central dos Estudantes da UnB, do coletivo estudantil Instinto Coletivo, e da Ralacoco, uma rádio livre com princípios comunitários.

"Esse dia é só uma prévia para a semana de democratização da comunicação, uma atividade bem maior que estamos organizando para o início segundo semestre desse ano", garante Jeronimo Calorio, membro do Centro Acadêmico de Comunicação Social da UnB. Nesse dia também será entregue uma carta pública ao GDF, reivindicando a convocação da conferência distrital de comunicação, que deverá contar com a participação dos estudantes. A 1ª Conferência Nacional de Comunicação será realizada em Brasília, entre os dias 1º e 3 de dezembro de 2009.

segunda-feira, maio 11, 2009

Tudo está bem quando o dia acaba muito bem. (:

domingo, maio 10, 2009

Dia das mães.

Dia de saudade das tantas mães que encontramos pelo mundo.
Das mães da maternidade, das mãedrastas, das mães dos nossos pais, das tias-mães, das mães-das-amigas-irmãs, das professoras-mães, das mães da vida.

"A voz do anjo sussurrou no meu ouvido,
Eu não duvido já escuto os teus sinais,
Que tu virias numa manhã de domingo,
Eu te anuncio nos sinos das catedrais...
Tu vens, tu vens, eu já escuto os teus sinais"

Dia de quero colo, quero almoço-família, quero ir no parque olhar pras nuvens e tomar chimarrão, comendo chocolate, ouvindo mamãe falar besteira.

Que dia...

Astrologias

A special day
Today is one of the rare days where your natal charts remains untouched by transits of the swift moving planets. A good day to think things over, review the past and look ahead into the future. It would also be a good day to fulfil yourself a secret wish or carry out an intention that you have had for a long time - especially if you want to be free of all kinds of influences to do it. However, decisions taken of your own accord are not written in the stars; perhaps you just want to relax today and simply be yourself.

terça-feira, maio 05, 2009

E quando tudo é um cansaço só,
um abraço apertado e a espera pelo repouso garantem a felicidade
que andava se escondendo.