quinta-feira, novembro 19, 2009

Medo

 Puxa, não tinha me tocado que a vocalista dessa música com o Lenine era a mesma da com a Marisa Monte. Julieta Venegas, você acaba de ganhar uma fã.

Excelente....

sábado, outubro 17, 2009

Sem sentido

Hoje achei uma carta de amor que escrevi há não muito tempo. Me arrependi de não ter mandado. Eu tinha sido tão sincera, tão aberta, tão corajosa, tão espontânea, tão esperançosa e, como poucas vezes, tão apaixonada!

A sensação que tenho agora é de que são palavras e sentimentos perdidos, desperdiçados. Foi tanto querer, tanto envolver, que me deixou vazia de expectativas e cheia de uma vontade - ainda não satisfeita - de simplesmente querer parar de querer.

Quero parar de gostar, de sentir, de pensar; de achar que poderia ter sido diferente, que poderia ter feito diferente.

Eis que leio a carta... a maldita carta, de palavras e sentimentos guardados. E juro - pra mim mesma, pra este caderno, pros quatro ventos, e pra quem mais quiser cair na ladainha - que não queria mais querer. Mas me lembro de como queria, de como já quis... de como acho difícil voltar a querer o que quer que seja.

E entristeço. Porque fico a me lembrar de como era bom querer e, ainda que com dúvidas e inseguranças, ser querida. Como era bom poder escrever uma carta de amor a alguém e saber que ela seria lida, sentida. Nunca soube como ela seria sentida, e por isso tive medo de mandar. Tinha medo de parecer que estava sentindo demais...

Mas que medo bobo de se sentir! Eu estava sim sentindo demais, amando demais... mas só porque não sei - e nem quero - amar de menos, viver de menos. A vida não tem graça se tivermos que optar pelo menos. Não tem a menor graça.

O problema é quando não podemos optar. Quando o menos é a única escolha. É aí que nos arrependemos de não ter sido tudo. É aí que me arrependo de não ter sido inteira. Por isso, fica o conselho de um centavo: não tenha medo de sentir demais, mas sim de não ter o que sentir. É assim que me sinto: sem sentido.

"And then you can begin again"

Luc: Why are you chasing after him after what he's done to you?
Kate: Because I love him! And I'm afraid that if he doesn't come back that I'll... it'll hurt so much that I'll just shrivel up and I'll never be able to love anyone ever again.
Luc: You say that now, but... after a time, you would forget. First, you would forget his chin, and then his nose, and after a while, you would struggle to remember the exact color of his eyes, and one day you wake up and, pfft, he's gone: his voice, his smell, his face. He will have left you. And then you can begin again.

http://www.youtube.com/watch?v=qehjTGTmsEE

Ser de ninguém

por Arnaldo Jabor

Na hora de cantar todo mundo enche o peito nas boates, nos bares, levanta os braços, sorri e dispara: "eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e todo mundo é meu também".

No entanto, passado o efeito do uísque com energético e dos beijos descompromissados, os adeptos da geração "tribalista" se dirigem aos consultórios terapêuticos, ou alugam os ouvidos do amigo mais próximo e reclamam de solidão, ausência de interesse das pessoas, descaso e rejeição. A maioria não quer ser de ninguém, mas quer que alguém seja seu.

Não dá, infelizmente, para ficar somente com a cereja do bolo - beijar de língua, namorar e não ser de ninguém. Para comer a cereja é preciso comer o bolo todo e nele, os ingredientes vão além do descompromisso, como: não receber o famoso telefonema no dia seguinte, não saber se está namorando mesmo depois de sair um mês com a mesma pessoa,
não se importar se o outro estiver beijando outra, etc, etc, etc.

Desconhece a delícia de assistir a um filme debaixo das cobertas num dia chuvoso comendo pipoca com chocolate quente, o prazer de dormir junto abraçado, roçando os pés sob as cobertas e a troca de cumplicidade, carinho e amor.

Namorar é algo que vai muito além das cobranças. É cuidar do outro e ser cuidado por ele, é telefonar só para dizer bom dia, ter uma boa companhia para ir ao cinema de mãos dadas, transar por amor, ter alguém para fazer e receber cafuné, um colo para chorar, uma mão para enxugar lágrimas,
enfim, é ter "alguém para amar".. Somos livres para optarmos! E ser livre não é beijar na boca e não ser de ninguém. É ter coragem, ser autêntico e se permitir viver um sentimento...

segunda-feira, outubro 05, 2009

Chove chuva...

Delicinha de chuva!

Não tem coisa melhor que dormir no friozinho, sob as cobertas, com o barulho das gotas à janela!

Voltando a gostar de Skank....

Tenho pra mim que o Skank, muito felizmente, tá voltando a encontrar a fórmula gostosinha-garota nacional-ali-tanto-jackie tequila! =)

Essas duas últimas músicas dão aquele apertinho no coração... ah!

Bem que a minha vida podia parar de ter trilha sonora o tempo todo. A pior das sensações é quando todas as músicas se encaixam em tudo. As bonitinhas lembram as coisas boas, que já não existem mais, e as tristes só relembram que as bonitinhas não existem mais.

Preciso arrumar uma vitrola pra ouvir meus LPs de Tchaikovsky e Beethoven... pelo menos eles não têm palavras.



domingo, outubro 04, 2009

Reflexões sobre o fotojornalismo...

"O uso exarcebado de imagens chocantes banalizou o horror e anestesiou o leitor, tirando dele o senso de indignação e o poder de reação."

"Sugerir é usar a fotografia para sensibilizar o leitor... usar foto-choque é nivelar o jornalismo por baixo."

retirado de "A insustentável leveza do clique fotográfico", escrito por Ana Flávia Sípoli Cól e Paulo César Boni.

terça-feira, setembro 29, 2009

Fernando Haddad: "O vestibular é a famosa jaboticaba"

Em entrevista à rádio CBN, o ministro da Educação, Fernando Haddad, falou sobre a realização do Enem, a mudança do vestibular brasileiro e o Censo Escolar 2009

De acordo com o ministro, esse ano 4,5 milhões de estudantes se inscreveram na prova do Enem. O número representa cerca de 75% dos concluintes do Ensino Médio, além de egressos que ainda buscam entrar no Ensino Superior.

Haddad explica que em seis anos, com os projetos de expansão das universidades federais e do "Programa Universidade para Todos" (ProUni), foram triplicadas as vagas gratuitas no Ensino Superior brasileiro. “Passamos de 100 mil, para 300 mil vagas gratuitas em todo o país.”

Sobre a adoção do “novo Enem” como sistema de seleção para ingresso nas universidades brasileiras, o ministro explica que já em 2010 50 instituições públicas vão adotá-lo como fase única, e outras 26, como primeira fase. "O vestibular é a famosa jabuticaba. Só o Brasil que mantinha há 100 anos esse modelo de seleção. E isso é uma anomalia", critica Haddad. Na seleção universal, o estudante poderá pleitear vagas em qualquer universidade integrante do sistema, através de uma única prova.

Censo Escolar 2009

O Censo realizado este ano revelou uma redução no número absoluto de matrículas no Ensino Básico. Para Haddad, contudo, isso não é negativo. "A proporção de crianças na escola aumenta em qualquer faixa etária considerada. Mas o número absoluto cai, em função do fato de que há menos brasileiros de 0 a 17 anos, além de uma melhora de fluxo. As crianças tão repetindo menos o ano, tão progredindo mais, e isso impacta positivamente. É o que os economistas chamam de bônus demográfico."

Além do número inferior de nascimentos, outro fato explica a redução do número de matriculas contabilizadas, principalmente no nordeste do país. É o fim da chamada “duplicidade de matrículas”, que ocorria quando uma criança era registrada em mais de uma escola. Agora, as instituições têm que repassar os nomes de todos os estudantes, para evitar a dupla contabilização.

Desafios na pré-escola

"O Ensino Fundamental estando com 98% de matrículas, agora o desafio é enorme de chegar às reservas indígenas, às comunidades quilombolas, comunidades ribeirinhas, aos assentamentos, esses 2% que faltam”, explica Haddad.

De acordo com o ministro, a prioridade agora é garantir a universalização da pré-escola. “Nós já estamos com 80% das crianças de quatro a seis anos matriculadas, mas temos que tentar atingir a universalização até 2014, porque está demonstrado que é o atendimento na pré-escola, que garante o sucesso da Educação Básica no seu conjunto.” Haddad explica que a conclusão do Ensino Médio está diretamente ligada à educação recebida a partir dos quatro anos de idade.

Flexibilização do Ensino Médio

Baseado em modelos europeus e norte-americanos, o ministro da Educação defende a flexibilização do Ensino Médio brasileiro. A proposta é que os jovens, principalmente os de baixa renda, possam ter acesso a um ensino profissionalizante.

"O Ensino Médio no Brasil é muito chapado. É quase que um só. E o peso do vestibular é evidente nesse caso, acaba tornando uma espécie de camisa de força que todo mundo tem que seguir. A flexibilização do vestibular por meio do Enem vai permitir que as escolas atendam melhor às expectativas dos jovens, que muitas vezes não é o vestibular.”

“Na maior parte do mundo desenvolvido, um contingente apreciável de jovens faz o Ensino Médio em busca de profissionalização, e não de universidade. E se isso é verdade na França e nos Estados Unidos, também tem que ser verdade no Brasil. Então, o Ensino Médio brasileiro vai se tornar cada vez mais profissionalizante, para atender ao jovem de baixa renda sobretudo, que nem sempre tem diante de si o horizonte do Ensino Superior, mas que tem o direito de se profissionalizar, de concluir a Educação Básica com um ofício, uma profissão adequada à sua inserção no mundo do trabalho.”

Entrevista à Rádio CBN, 29/09/2009

sábado, setembro 19, 2009

Meu futuro em 30 segundos

Hoje no ônibus de volta da aula de Comunicação Comunitária em Planaltina para a Asa Norte, fizeram uma brincadeira para dizermos em 30 segundos quem somos, e em mais 30 segundos, quem seremos no futuro.

Eu, como sempre, travei na hora. Primeiro porque resumir em 30 segundos toda uma vida é certamente um tratado de mediocridade. O que importa em quem eu sou? Não é de onde eu vim, onde morei, o que estudo, porque meu nome é Mel, quantos anos eu tenho ou o que eu costumo comer quando fico nervosa. É o que eu sinto, é o que existe. E isso, ah... nem eu entendo, quem dirá conseguiria explicar!

Parece até aquelas conversas com desconhecidos, em festas ou barzinhos. Os dois buscam - quase desesperadamente - achar algo de interessante no ser ao lado, e para isso fazem perguntas óbvias como "o que você faz?", cujas respostas normalmente são ainda mais óbvias "ah, estudo, trabalho...". Sinceramente, ninguém quer conversar com pessoas perfeitamentes inseridas dentro do protocolo social contemporâneo. Por que não experimentar algo mais "pós-moderno"... como "ah, eu danço, eu penso, eu amo, eu choro, eu existo. Existo aqui e em milhões de lugares, com bilhões de facetas e trilhões de emoções".

E sobre o meu futuro. Sabe-se lá o que será dele. Mas pensando no assunto, cheguei a algumas conclusões, que registro aqui para nostálgicas risadas posteriores:

Não faço a menor ideia de onde e com o que vou trabalhar, só sei que é para um mundo melhor através da Comunicação. E que é muito. E muito bom!

Quero ter uma família bacana, com um companheiro para compartilhar minha vida. Alguém que apesar de todos os pepinos e jilós, esteja do meu lado no final do dia, até de manhã! Nossos olhares serão cheios de admiração, desejo e ternura. Quando houver piscadas tristes, raivosas ou desconfiadas... beijinhos resolverão o problema. E se um dia o amor virar lembrança, seguiremos bons amigos.

Quero também uns quatro filhos. E todos vamos dividir as tarefas da casa, com tabelinha e tudo, coleta seletiva, hortinha e nenhum empregado. O natal da família vai ser na nossa casa, para juntar todos os agregados e suas desavenças. Vamos economizar durante o ano, para nas férias viajarmos juntos a lugares inusitados. E digo economizar, porque já desisti de ser rica - aliás, acho que seria contra meus princípios!

Aos domingos, vamos almoçar na casa de um dos meus pais ou um de meus sogros - sim, porque nessa minha geração de filhos pós-hippies, ter pais ainda casados é uma raridade. Aqueles almoços cheios de farofa e fofoca boa! Pelo menos um dia na semana, vou almoçar com aquelas amizades que existem desde sempre. Ou tomar uma cervejinha.

Sempre quando acordar, vou ter mil coisas na cabeça. Mas quando dormir, vou ter a certeza de ser feliz.

E acho que isso seria o bastante.

terça-feira, setembro 15, 2009

A arte de sentir através de músicas

Tanto
por Skank

"Coveiros gemem tristes ais
E realejos ancestrais juram que
Eu não devia mais querer você
Os sinos e os clarins rachados
Zombando tão desafinados
Querem, eu sei, mas é pecado
Eu te perder

É tanto, é tanto
Se ao menos você soubesse
Te quero tanto

Políticos embriagados
Dançando em guetos arruinados
E os profetas desacordados
A te ouvir
Eu sei que eles vem tomar meu
Drinque em meu copo a trincar
E me pedir pra te deixar partir

É tanto, é tanto
Se ao menos você soubesse
Te quero tanto

Todos meus pais querem me dar
Amor que há tempos não está lá
E suas filhas vão me deixar
Por isso não me preocupar
Eu voltei pra minha sina
Contei pra uma menina
Meu medo só termina estando ali
Ela é suave assim
E sabe quase tudo de mim
Ela sabe onde eu
Queria estar enfim

É tanto, é tanto
Se ao menos você soubesse
Te quero tanto

Mas seu dândi vai
De paletó chinês
Falou comigo mais de uma vez
Não, eu sei, não fui muito cortês
Com ele,não
Isso, porque ele mentiu, porque
Te ganhou e partiu
Porque o tempo consentiu
Ou se não porque

É tanto, é tanto
Se ao menos você soubesse
Te quero tanto
É tanto
Se ao menos você soubesse
Te quero tanto"

segunda-feira, setembro 14, 2009

Eaí, Kid?

Será preciso ficar só, pra se viver?

ou

Será preciso ficar, só pra se viver?

quinta-feira, setembro 10, 2009

"A vida secreta das palavras"

Se eu fosse indicar o melhor filme que vi esse ano, "A Vida Secreta das Palavras" de Isabel Coixet (2005), seria o escolhido. Ele é fantástico.

"There are very few things. Silence and words."

terça-feira, setembro 08, 2009

ouvindo rádio

Kid Abelha com Lenine

"Jogue suas mãos para o céu,
e agradeça se acaso tiver alguém
que você gostaria que estivesse sempre com você!
Na rua, na chuva, na fazenda, ou numa casinha de sapê..."

sábado, setembro 05, 2009

Família é...

Assistir High School Musical 3 e Cinderela 3 (com um priminho pulando na barriga e uma priminha cantando tudo desafinado), passar o dia na praia com céu nublado brincando de adedonha (em que leite vira objeto e cama um lugar), ganhar vestido-canga, tomar algumas caipiroskas de maracujá com morango e não ter que pagar a conta, ouvir piadinhas infames durante o almoço, aguentar perguntas indiscretas durante o jantar, ler o jornal e a Carta Capital, pra depois dormir assistindo Crônicas de Nárnia 2 abraçadinha com todo mundo!

Família é bomdimais!

segunda-feira, agosto 31, 2009

O querer.

Quando as coisas chegam ao fim, principalmente os relacionamentos, existem dois caminhos a seguir. Ou você decide colocar um ponto final, ou você escolhe continuar tentando. O que não dá é pra não colocar um ponto final e também não tentar de fato. É claro que o "talvez" é mais confortável que o "não". Mas ele é muito doloroso. E está bem distante do "sim".

Na verdade, ouso dizer que na maioria das vezes o "talvez" só mascara um "não" amedrontado. Por que o "sim" não se esconde. O "sim" quer gritar pro mundo todo e se anunciar aos quatro ventos. O "sim"... ah, o "sim" não tem medo.

E então, quando depois de tentar você chega à já esperada - ainda que triste - conclusão, de que realmente não vale mais a pena esperar e tentar... que isso machuca mais do que traz felicidade e realizações; que apesar de você achar que "tem tudo pra dar certo", só vai dar errado! Aí você decide colocar o temido ponto final. O problema do ponto final é que ele realmente é final. Não é uma vírgula, uma pausa, uma espera de que os comerciais cheguem ao fim, e de que alguma hora a história vá continuar. Não.

Mas é normal que assuste a ideia de que cedo ou tarde (e de preferência, pra sua sanidade mental, bem cedo) você não vai mais querer que dê certo. De que tudo que vai sobrar é a nostalgia de uma vontade do futuro que nunca chegou. Só que você realmente tem que parar de querer. Não é nem um parar de gostar... porque o gostar não é algo controlável. Já o querer, é. Você escolhe o que quer. E alguém bem sábio me disse que a gente é as escolhas que a gente faz.

Então, por mais que não seja tão racional e instântaneo quanto gostaríamos que fosse, uma hora sem perceber, você percebe que parou de querer. Que passou a buscar outra coisa. Não necessariamente outro alguém, mas sim outras sensações. Sensações de abertura para o mundo, de abertura para si. E aí... aí a gente descobre a delícia de se querer. De se querer bem.

sexta-feira, agosto 28, 2009

Sem precisar pensar...

Doce Sal
de Dani Carlos


"Tem que amar com fé.
Tem que morrer de amor pra não se arrepender depois que o tempo passou, é.
Tem que dizer adeus pra não acomodar
Mentira por mentira eu prefiro ficar só...
Sem você...
Sem ouvir, nem dizer.
O que acabou-se o que era doce virou sal
O mundo continua indo e vindo, é natural
Noites tão modernas,
chances infinitas de encontrar alguém que faça minha cabeça sem precisar pensar
Se a solidão vier, tenta se apaixonar
Vivendo dia e dia, deixando rolar, é.
Mas tem que ser alguém que valha a pena amar
Mentira por mentira eu prefiro ficar só...
Sem você...
Sem ouvir, nem dizer
Porque acabou-se o que era doce virou sal!
O mundo continua indo e vindo, é natural
Noites tão modernas,
chances infinitas de encontrar alguém que faça minha cabeça sem precisar pensar"

segunda-feira, agosto 24, 2009

Sérgio Mindlin: "Vamos estabelecer metas para a redução de emissões"

Em entrevista à rádio CBN, Sérgio Mindlin, presidente do conselho deliberativo do Instituto Ethos, anunciou que empresas brasileiras vão entregar amanhã uma carta aberta sobre as mudanças climáticas ao Ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, e ao negociador chefe da delegação brasileira na Conferência do Clima, que acontece em dezembro na cidade de Copenhague.

A carta é uma iniciativa do Instituto Ethos, da Vale do Rio Doce e do Fórum Amazônia Sustentável. O texto traz o compromisso das empresas em reduzir as emissões de gases que provocam o efeito estufa, além de sugestões para o posicionamento a ser tomado pelo governo na conferência de dezembro.

"O governo imaginava que não, mas os empresários querem [combater o aquecimento global] porque entendem os benefícios de uma economia de baixo carbono e de controlar a questão das mudanças climáticas. Os empresários estão propondo que o Brasil assuma uma posição mais agressiva. Vamos estabelecer metas para a redução das emissões. Quem tem que assumir essas metas é o país, mas o governo não pode fazer isso sozinho, a não ser que tenha o apoio empresarial", defendeu Sérgio.



"Ah, que bonito"
tóin, óin, óin, óinn

domingo, agosto 16, 2009

Pra quem não acredita em astrologia:

Semana 16/08/2009 - 22/08/2009


"Amor: Las cosas en el amor no han ido como esperaba o suponía, tómeselo a bien y mire hacia delante. Las relaciones de parejas vivirán una semana difícil."
je crois que les étoiles sont des larmes suspendues...

segunda-feira, agosto 10, 2009

O pior de lidar com a insegurança alheia,
é que da nossa insegurança ninguém cuida...

terça-feira, julho 28, 2009

Monte Albán - Oaxaca

Dá uma certa vertigem caminhar pelas ruínas do que se diz ter constituído a primeira urbe americana.

O que estamos fazendo por aqui?!

sábado, julho 18, 2009

Casacos de presente

Uma vez ela ganhou dois casacos.

O verde, para os dias de moleca, menina-moça. Que combina com os olhos da grama de depois do almoço, com chimarrão e beijinhos. Com as flores de algodão, para enfeitar o cabelo, cuidadosamente trançado pela mãe com acessos de carinho.

E o preto, para as noites da menina-mulher, com olhar de estrelas, cometas e explosões de sentimentos e sensações, guardados no lado esquerdo da pupila. Olhar quase escondido pelo rímel de anteontem e pelas lágrimas de amanhã.

Foi quando ela descobriu a maravilha e a dor de ser infinitas em uma. Desconhecida do mundo, e por vezes até dela mesma.

segunda-feira, julho 13, 2009

Amor

E se hoje eu disser que sou toda amor?

Uma explosão desenfreada. Um coração que formiga, que pulsa, que é. Seu e meu. De mais ninguém.

Que é inédito. Que é bonito. Que trocaria todas as eternidades por essa tarde. Todas as certezas, os encontros pontuais, os beijos sem sais - por você.

Pela gente e pelas nossas bobagens soltas. Que me fazem tão bem... tão completamente sua.

"Os três pontinhos são pra mostrar que eu fiquei pensando. Caracas, a gente é muito parecido. Com você eu não consigo relaxar. Pra mim ficar com as pessoas envolve muito mais coisa. Eu tenho um monte de dúvidas, não parei de pensar nisso. Não sabia se você ainda tava afim, mas eu tô. Nossa, que cara séria. Aquilo não foi legal, eu quero ficar com você, eu gosto de estar com você. Um passarinho me contou que hoje era um ótimo dia pra ir ao cinema. A senhorita gostaria de tomar um vinho? Eaí, enfermeira? E essa bolsa hippie? Lindo? Você que é! Boa viagem... volta logo."

Volto eu, e se você quiser, volto sua.
Queira. Me queira bem, muito. Muito bem.
Te quiero.

quinta-feira, julho 02, 2009




















"estava à toa na vida, o meu amor me chamou, pra ver a banda passar, cantando coisas de amor"

quarta-feira, julho 01, 2009

"Indecisão é quando você sabe muito bem o que quer mas acha que devia querer outra coisa."

essa devia ganhar o prêmio de frase do século.
ou pelo menos dos últimos dias... :)

terça-feira, junho 30, 2009

por Chico Buarque

"Se acaso me quiseres, sou dessas mulheres que só dizem sim. Por uma coisa à toa, uma noitada boa, um cinema, um botequim.

E, se tiveres renda, aceito uma prenda. Qualquer coisa assim. Como uma pedra falsa, um sonho de valsa ou um corte de cetim."

segunda-feira, junho 29, 2009

Coragem

Um dia eu juro:

Vou ter coragem de falar tudo o que sinto,
sem papas na língua,
sem travas na mente.

Vou ter coragem imediatamente,
sem treinar formas de dizer,
nem forjar formas de sentir.

E vai ser muito bom,
não ter que depender da telepatia alheia,
e não ter medo de existir.

Vou ter coragem de viver,
de ser eu e não quem era pr'eu ser,
e quem nunca consegui me tornar.

Vou ter, eu juro, coragem de amar.

quinta-feira, junho 25, 2009

pra salvar da loucura do fim de semestre,
só um louco frio na barriga.

Parlamentares aprovam passe livre estudantil no DF


















Deputados distritais votaram
por unanimidade nessa terça-feira, 23 de junho, a favor da proposta que garante transporte gratuito aos estudantes do Distrito Federal

O meu dinheiro não é capim, eu pulo a catraca sim” e “Boi, boi, boi, boi da cara preta, se não der o passe livre a gente quebra a roleta!” foram os gritos de guerra que receberam os deputados distritais na sessão ordinária da Câmara Legislativa do DF (CLDF). Estudantes de várias escolas do DF se organizaram e levaram representantes de seus grêmios para garantir a votação do passe livre estudantil.

“Eu tenho que pagar seis reais todo dia para ir e voltar da minha escola, e ainda por cima a gente não recebe nem merenda lá. Isso é um absurdo. Tá na lei que todo mundo tem o direito à educação, então porque é que eu tenho que pagar pra estudar?!” critica a estudante Natália Shueny, do Centro de Ensino Médio 02 do Gama.

A reclamação de Natália é a mesma de Caio Sousa, estudante do Centro de Ensino Médio 04 de Ceilândia: “É muito fácil pra esses políticos ficarem parados, sem fazerem nada. Os filhos deles moram todos no plano e têm carro com motorista pra irem à escola e ao cinema nos fins-de-semana. Enquanto isso a gente fica em casa, sem ter dinheiro pra sair.”

Com 16 deputados presentes e mais de 200 estudantes na galeria, a CLDF aprovou o projeto que garante passe livre a todos os estudantes do DF. A proposta feita pelo GDF havia sido discutida em audiência pública há duas semanas, e sofreu importantes modificações antes de ser aprovado nessa terça-feira, 23 de junho. Foram incluídas mais categorias estudantis, além de deficientes físicos e 16 passes extras mensais, para atividades culturais e esportivas, entre outras. A emissão do benefício será regulada pelo GDF, e os beneficiários deverão ser expostos em portal da internet para garantir transparência ao processo.

Para a deputada Érika Kokay (PT – DF) esse foi apenas o primeiro passo. “É como o representante do Movimento Passe Livre falou na audiência: nós temos que trabalhar para conseguir um transporte público, e não apenas coletivo como o que temos hoje. Um transporte público deve ser completamente gratuito, para todas e para todos. Que nem as escolas e os hospitais públicos, por exemplo. De qualquer forma essa foi uma conquista, não só para o movimento estudantil, mas para a sociedade inteira”, garante.

O estudante Paíque Lima, do Movimento Passe Livre, questiona também a manutenção do preço da passagem tradicional. “Sem dúvida nenhuma a aprovação do passe livre é fruto de uma luta social de anos e anos, mas não podemos ser ingênuos e achar que não tem nenhum interesse por trás dela. A proposta do GDF está dentro de um acordo que favorece os empresários. Atualmente, o estudante paga apenas um terço da passagem de ônibus, e os outros dois terços são bancados pelos outros passageiros, no preço total das passagens. No projeto aprovado, o GDF passa a pagar 100% da passagem do estudante, então aqueles dois terços que estavam adicionados à passagem tradicional deveriam ser descontados. Ou seja, se fosse uma proposta visando melhorar a qualidade de vida da sociedade, não teríamos só o passe livre estudantil, mas também passagens mais baratas para todo mundo” defende Paíque.

O projeto aprovado pela CLDF ainda deve ser sancionado pelo governador José Arruda e regulamentado por uma comissão de estudantes, parlamentares e membros do Executivo. Mas ao que tudo indica, já no segundo semestre de 2009 os estudantes poderão usufruir gratuitamente do transporte (agora um pouco mais) público do DF.

segunda-feira, junho 22, 2009

domingo, junho 21, 2009

Vinha andando pelas ruas, quando de repente - ou mais que de repente - pensou: e se viesse voando, que bom seria?

terça-feira, junho 16, 2009

Bumerangue

Alguém me explica porque, freud, esse tal bumerangue emocional funciona tão bem?!

sábado, junho 13, 2009

saliva doce

"Pele macia
Ai! carne de cajú
Saliva dôce
Dôce mel
Mel de uruçú..."

quarta-feira, junho 10, 2009

Reitor assina termo de compromisso e ocupação continua

Em reunião hoje de manhã, o reitor da UnB José Geraldo de Sousa Jr. e a decana de assuntos comunitários Rachel Nunes se comprometeram a rever a política de bolsas-permanência, além dos sistemas de transporte e segurança locais

O termo de compromisso de seis páginas prevê, entre outras coisas, a contratação de 390 profissionais para melhorar a segurança nos campi, um aumento de aproximadamente 70% no número de funcionários.

Também foi prometida a modificação das bolsas-permanência. A proposta era de que elas fossem equivalentes a um salário mínimo, com a condição de que os estudantes mantivessem algum vínculo com projetos de pesquisa ou extensão. Os manifestantes reivindicaram que essa condição se aplicasse apenas a partir do terceiro semestre, para que os estudantes pudessem aproveitar o primeiro ano conhecendo e se adaptando à universidade.

Após a reunião com a reitoria os estudantes analisaram as propostas e decidiram, por nove votos a favor, dois contra e sete abstenções, permanecer ocupados até a Assembléia Geral dos Estudantes, marcada para quarta-feira, 17 de junho, ao meio-dia. Assistência estudantil e recredenciamento da Finatec são os pontos de pauta previstos para a assembléia.

"A questão central dessa ocupação é a mudança na política de assistência estudantil do decanato e isso não foi discutido com o reitor. Podemos renegociar a saída da decana, mas é fundamental que a postura da reitoria quanto à esse tema seja profundamente revista" explicou o estudante de Letras, Diogo Ramalho, "para isso vamos deixar que a assembléia decida os rumos da ocupação".

Questionado sobre um possível esvaziamento do ato com a chegada do feriado, Diogo respondeu: "Realmente muita gente vai viajar, mas nós vamos realizar atividades culturais e debates para estimular a participação do pessoal."

terça-feira, junho 09, 2009

Estudantes reocupam reitoria da UnB

Após ato pela assistência estudantil, manifestantes decidem ocupar a reitoria até a saída da decana de assuntos comunitários, Rachel Nunes

Aproximadamente 40 estudantes estão agora no Salão de Atos da reitoria decidindo os próximos passos da ocupação, que começou ontem, segunda-feira, às 14h. O reitor José Geraldo de Sousa Jr. disse hoje, em reunião com os manifestantes, que não ia negociar enquanto fosse reivindicada a saída da reitora Rachel Nunes.

“Essa postura intransigente revela um descaso com os estudantes que o elegeram, um descaso com a assistência estudantil” critica Thiago Rodrigo de Oliveira, estudante de filosofia e representante da Associação de Moradores da Casa do Estudante Universitário (AMCEU), “nós já fizemos uma ocupação de um dia no início do semestre, quando cortaram a internet da CEU, participamos inúmeras reuniões e audiências com a reitoria, mas até agora não houve uma resposta satisfatória”.


Para o reitor, os estudantes estariam “exercitando o método que aprenderam recentemente como forma de afirmar suas posições, e hoje fizeram da ocupação uma condição para construir uma pauta”. Apesar de reconhecer o caráter legítimo da manifestação, o reitor se mostrou contrário à pauta reivindicada: “eles colocaram como primeiro ponto de pauta a saída da decana, e na verdade eu queria discutir as questões que geraram a mobilização, qual a dimensão cidadã da pauta colocada”, explica José Geraldo.


Dentre as reivindicações dos estudantes estão a saída da decana de assuntos comunitários, a modificação da “bolsa permanência” com a retirada dos vínculos trabalhistas, a instalação de um sistema de transporte entre os quatro campi, assistência médica integral para os alunos de baixa renda, negociação e implementação de um plano de segurança para os campi, reformulação das normas de convivência da CEU e negociação interna dos processos de desocupação da CEU. Leia a pauta detalhada dos estudantes.


Representantes do Diretório Central dos Estudantes estão negociando no gabinete do reitor para reabrir o diálogo com os manifestantes.

Publicar postagem

Leia mais sobre a casa do estudante: Dilemas da construção da nova Casa do Estudante

domingo, maio 31, 2009

Ministério Público promove seminário sobre Direito à Comunicação

Na última terça-feira, 26 de maio, representantes da mídia, do governo federal e do ministério público discutiram os direitos dos cidadãos à Comunicação Social

Diversidade cultural na mídia, classificação indicativa na TV aberta e os problemas da publicidade para crianças foram alguns dos temas debatidos no seminário coordenado pela procuradora Federal dos Direitos do Cidadão, Gilda Carvalho. "Hoje inauguramos um espaço democrático, e temos um foco: contribuir para o aperfeiçoamento das instituições democráticas, dentre as quais a Comunicação tem um papel fundamental", declarou a doutora ao final do evento.

Pela manhã, foi discutido o conteúdo que deve ter a televisão. A lei diz que a programação televisiva tem a obrigação de ir além do entretenimento: educação, cultura, arte e informação são exigidas. Um dos problemas levantados foi o vencimento das concessões públicas de diversas emissoras comerciais no ano passado, que continuam funcionando sem autorização. Muitas dessas emissoras não respeitam a lei no que diz respeito a um mínimo de programação cultural e educativa.

Diversidade cultural na televisão

A discussão das concessões também esteve presente no segundo painel, à tarde. Para Diogo Moyses, do Coletivo Brasil de Comunicação Social Intervozes, "o simples fato de alguém ter que administrar os canais de informação, no caso o governo, já impõe uma restrição à liberdade de expressão. Por isso temos que garantir que eles sejam bem administrados. A hegemonia das emissoras comerciais não pode continuar. Deve haver um equilíbrio entre Comunicação pública, estatal e comercial. O mercado não garante direitos, não garante cidadania, para isso a sociedade tem que se organizar. Espero que isso aconteça na Conferência Nacional de Comunicação".

O secretário da Diversidade e Identidade Cultural do Ministério da Cultura, Américo Teixeira, apresentou dados de uma pesquisa recente do IBGE, que revela a presença de videolocadoras em 75% dos municípios brasileiros. "É fundamental entender o impacto do cinema distribuição de cultura no Brasil. A hegemonia audiovisual norte-americana transmite todos os seus valores aqui, e nós não conseguimos mostrar a diversidade cultural do nosso próprio país. Aqui dentro temos mais de 225 povos, que falam mais de 180 línguas, e ninguém os conhece. Temos que pensar diversidade e mostrá-la" explica o secretário.

Classificação Indicativa nas TVs por assinatura

Segundo o representante da Associação Brasileira de TVs por Assinatura (ABTA), o advogado Marcos Alberto Bitelli, a televisão fechada foi a mais proativa na adoção da classificação indicativa. Um dos pontos positivos, é o fato de os pais poderem controlar a programação através de uma senha, quando não querem que seus filhos vejam programas contendo sexo, violência ou consumo de drogas.

Esse controle ainda não é suficiente, na opinião do promotor Domingos Silveira, do Grupo de Trabalho de Comunicação Social da Procuradoria, " a auto-avaliação das TVs por assinatura não é suficiente. Temos que encontrar instrumentos para regulamentá-las". Para Silveira, "a TV a cabo representa um perigo a mais para a criança e o adolescente. Ela tem uma aura de qualidade, e a gente acha que tudo que está na Discovery Kids é bom, mas não é".

Publicidade e criança, uma mistura polêmica

"Antes de sermos cidadãos, somos consumidores, e a criança moderna se socializa a partir do consumo" declarou o Representante da Associação Brasileira de Anunciantes, Rafael Sampaio, "o que temos que fazer é ensiná-las como conviver com a publicidade". Na opinião da associação, qualquer restrição à publicidade seria uma violação da liberdade de expressão. Apesar de reconhecer a existência de alguns abusos, Sampaio defende a auto-regulamentação do setor, a exemplo dos Estados Unidos, onde não se veicula mais propaganda de cigarros.

A opinião do Instituto Alana, no entanto, é bem diferente: "A criança até os seis anos não sabe diferenciar conteúdo de publicidade, e quando começa a fazer a diferenciação, ainda não entende o caráter persuasivo de uma propaganda", explica Isabella Meira Henriques. "No artigo 37 do Estatuto da Criança e do Adolescente, está assegurada a integridade psíquica da criança. Ora, a publicidade para o público de até 12 anos é ilegal em sua essência" analisa a palestrante. Para o Instituto, a publicidade de produtos infantis deve ser feita apenas em horários específicos, voltada para os pais, a exemplo da TV Cultura.

O diretor do Conselho Federal de Psicologia (CFP), Ricardo Moretzsohn, também reconheceu os danos da publicidade para a criança. "O posicionamento oficial do CFP é que toda publicidade voltada ao público infantil deve ser proibida. O consumismo é um distúrbio. crianças não nascem consumidoras, isso lhes é passado. Que cidadãos queremos formar pro mundo, consumidores desesperados ou indivíduos críticos?" questiona o psicólogo.

domingo, maio 24, 2009

"Muitas perguntas
Que afundas de respostas
Não afastam minhas dúvidas
Me afogo longe de mim
Não me salvo
Porque não me acho
Não me acalmo
Porque não me vejo
Percebo até
Mas desaconselho...

Espero a chuva cair
hum, huuum...."

sábado, maio 23, 2009

melhor presente de aniversário.

"18/05/2009

Vie et lutte des Sans terre dans le Sud du Brésil

310545200.jpg"Engagement corps et âmes. Vie et lutte des Sans terre dans le sud du Brésil". Ce lundi 18 mai, jour de l'anniversaire de sa fille Mel, Susana Bleil a soutenu sa thèse à l'Ecole des Hautes Etudes en Sciences sociales durant trois passionnantes heures, devant un jury de six chercheurs et professeurs d'Université.

A l'issue des délibérations, Susana a obtenu son Doctorat de Sociologie avec mention Très Honorable, à l'unanimité du jury et avec ses Félicitations !

Pour en savoir plus, téléchargez et lisez le petit résumé de ce travail de près dix années, travail que nous espérons bientôt retrouver édité sous la forme d'un livre : Susana Bleil, Thèse de Sociologie, résumé.doc

Bravo, bravo, bravo Susana !"

fonte: http://cheminsdetraverse.rsfblog.org

Estudantes de comunicação do Centro-Oeste se reúnem em Dourados-MS

Três dias de atividades diversas incentivaram os alunos a se prepararem para a 1ª Conferência Nacional de Comunicação

Crédito: Mel Bleil Galo

Durante os dias 15, 16 e 17 de maio, estudantes do Distrito Federal, Mato-Grosso e Mato-Grosso do Sul se reuniram em Dourados-MS para debater a comunicação como um direito humano. No Encontro Regional dos Estudantes de Comunicação Social (Erecom), palestras, debates, oficinas e festas garantiram a integração dos alunos das 8 universidades e faculdades representadas. Discussões sobre os diferentes currículos, regras de estágio, condições de assistência estudantil, regulamentação da profissão do publicitário e obrigatoriedade do diploma para o jornalista, preencheram o fim de semana dos alunos, que agora se preparam para a 1ª Conferência Nacional de Comunicação, a Confecom.

Para Milena Cardinal, integrante da Comissão Organizadora do encontro e estudante de jornalismo do Centro Universitário da Grande Dourados (Unigran), os espaços mais importantes do Erecom são os grupos de discussão. "A gente teve dificuldade em trazer as bandeiras da Enecos (Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social) para os alunos em geral, pois ainda existe muita resistência às discussões do movimento estudantil. Os grupos de discussão são ótimos nesse sentido, pois permitem que os estudantes conversem sobre os temas, conheçam a realidade de outras faculdades e construam opiniões coletivas" explica a aluna.

Com o objetivo de sensibilizar os alunos para o movimento estudantil de comunicação social, apelidado de Mecom, foi incluído na programação um painel explicando passo a passo a organização dos estudantes do curso no Brasil. "Foi uma idéia genial! Eu não entendo como a gente nunca pensou nisso antes. Se queremos trazer mais gente para o Mecom temos que explicar como que ele funciona e qual a importância dele para os estudantes e a sociedade em geral", defende Mariana Freitas, coordenadora nacional da Enecos e estudante de jornalismo da Universidade Federal do Mato Grosso.

Crédito: Mel Bleil GaloA iniciativa já trouxe resultados. No encontro foi montada uma comissão estudantil com 5 alunos, responsável por organizar as atividades e discussões do Mecom no Centro-Oeste. "Agora o nosso foco tem ser a Conferência de Comunicação, vamos levar o debate para as universidades, e conscientizar os alunos sobre o nosso papel nesse espaço", afirma Caio Bruno, membro da comissão pró-conferência nacional de comunicação e estudante de jornalismo da Universidade Católica de Brasília (UCB). Em Dourados, por exemplo, já está prevista para o segundo semestre de 2009 uma semana acadêmica voltada para mobilizar os alunos para a conferência.

Em Brasília, a primeira atividade sobre a Confecom já tem data. Na quarta-feira, 03 de junho, será realizado na UnB o dia da Democratização da Comunicação. O evento tem como objetivo o debate sobre o papel das conferências nacionais, em especial a de Comunicação. Foram convidados pesquisadores, alunos e atuantes na democratização da comunicação, para participarem de palestras, oficinas e outros momentos culturais. A organização é em parceria com a Enecos, os Centros Acadêmicos de Comunicação Social da UnB, do Centro Universitário de Brasília (UniCeub) e da UCB, além do Diretório Central dos Estudantes da UnB, do coletivo estudantil Instinto Coletivo, e da Ralacoco, uma rádio livre com princípios comunitários.

"Esse dia é só uma prévia para a semana de democratização da comunicação, uma atividade bem maior que estamos organizando para o início segundo semestre desse ano", garante Jeronimo Calorio, membro do Centro Acadêmico de Comunicação Social da UnB. Nesse dia também será entregue uma carta pública ao GDF, reivindicando a convocação da conferência distrital de comunicação, que deverá contar com a participação dos estudantes. A 1ª Conferência Nacional de Comunicação será realizada em Brasília, entre os dias 1º e 3 de dezembro de 2009.

segunda-feira, maio 11, 2009

Tudo está bem quando o dia acaba muito bem. (:

domingo, maio 10, 2009

Dia das mães.

Dia de saudade das tantas mães que encontramos pelo mundo.
Das mães da maternidade, das mãedrastas, das mães dos nossos pais, das tias-mães, das mães-das-amigas-irmãs, das professoras-mães, das mães da vida.

"A voz do anjo sussurrou no meu ouvido,
Eu não duvido já escuto os teus sinais,
Que tu virias numa manhã de domingo,
Eu te anuncio nos sinos das catedrais...
Tu vens, tu vens, eu já escuto os teus sinais"

Dia de quero colo, quero almoço-família, quero ir no parque olhar pras nuvens e tomar chimarrão, comendo chocolate, ouvindo mamãe falar besteira.

Que dia...

Astrologias

A special day
Today is one of the rare days where your natal charts remains untouched by transits of the swift moving planets. A good day to think things over, review the past and look ahead into the future. It would also be a good day to fulfil yourself a secret wish or carry out an intention that you have had for a long time - especially if you want to be free of all kinds of influences to do it. However, decisions taken of your own accord are not written in the stars; perhaps you just want to relax today and simply be yourself.

terça-feira, maio 05, 2009

E quando tudo é um cansaço só,
um abraço apertado e a espera pelo repouso garantem a felicidade
que andava se escondendo.

terça-feira, abril 28, 2009

Imparcialidade - 1

será que mais imparcial é aquele que se reconhece parcial e tenta reverter isso com distanciamento extremo?

ou, pensando melhor, será que isso não é quase uma alienação?

existe solução?

domingo, abril 26, 2009

Cansaço...

por Mano Chao

"Mentira la mentira
Mentira la verdad

Todo es mentira en este mundo
Todo es mentira la verdad
Todo es mentira yo me digo
Todo es mentira ¿Por qué será?"

sexta-feira, abril 24, 2009

Novos cursos ainda sem aprovação na UnB

Para o segundo vestibular de 2009, alunos terão mais nove opções de cursos para escolherem. São 552 novas vagas, que fazem parte do programa de reestruturação e expansão das universidades federais (Reuni), em parceria com o MEC

A abertura das vagas para novos cursos no Campus Darcy Ribeiro foi aprovada no último Conselho Universitário (Consuni), no dia 17 de abril. No entanto, apenas o curso diurno de Geofísica e o noturno de Museologia foram analisados e autorizados pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da UnB (Cepe), responsável pela aprovação dos novos cursos. Os outros sete cursos ainda têm de ser aprovados antes do início das aulas.

Para o aluno de Ciência Política Raul Cardoso, conselheiro do Cepe, a aprovação dos novos vestibulares foi corrida. Segundo ele, “dessa forma a universidade está perpetuando uma lógica, contra a qual o movimento estudantil luta cotidianamente. Estamos criando cursos sem saber o que eles serão, qual sua fundamentação, a infra-estrutura e o corpo docente e técnico necessários. A lógica continua invertida, cursos novos são criados sem um debate sobre que UnB a gente quer. Isso foge ao princípio da gestão compartilhada e transparente.”

Ainda assim, para Raul, quando os cursos que ainda não foram aprovados chegarem ao Cepe, eles provavelmente serão liberados sem muita resistência. Esses cursos são os noturnos de Letras-Tradução Espanhol, História – Licenciatura, Música – Licenciatura, Gestão de Políticas Públicas, Engenharia de Produção e Ciências Ambientais, e o diurno de Engenharia da Computação. “É importante democratizar o acesso à universidade” defende a decana de Ensino e Graduação, Márcia Abrahão, “e uma das medidas para isso é o fato de sete dos cursos criados serem noturnos”.

O Cepe aprovou no ano passado a contratação de 300 novos professores, já autorizados pelo Ministério da Educação (MEC) dentro do Reuni. Eles foram distribuídos de acordo com a oferta de disciplinas de cada departamento. Segundo a decana Márcia Abrahão, essas contratações já foram aprovadas “antecipando o aumento de vagas no vestibular entre 2009 e 2010, e agora cabe apenas aos departamentos realizarem seus concursos”.

O estudante de Serviço Social Fábio Félix, conselheiro do Consuni, declarou que há uma demora maior na contratação dos professores do Reuni. Segundo ele, foram realizados quatro concursos no Departamento de seu curso, das quais três são para ocupar vagas de professores que deixaram o departamento, e um para atender às demandas da Reforma Universitária. Fábio explica que “o único que ainda não foi homologado é o do Reuni, e com essa demora é possível que a UnB tenha que realocar professores já contratados para suprir a demanda dos novos cursos, o que aumentaria ainda mais a relação do número alunos para cada professor”. Essa relação atualmente está estimada em 16 para 1, e até o fim da implementação do Reuni deve subir para 18.

Consórcio entre Unidades Acadêmicas

Alguns dos novos cursos vão funcionar com o sistema de consórcio entre diferentes unidades acadêmicas da universidade. Esse sistema acontece quando mais de uma unidade, com afinidades na área de atuação, se juntam para administrar um curso multidisciplinar. É o caso do curso de Gestão de Políticas Públicas, por exemplo, que será ofertado em conjunto pelo Instituto de Ciência Política, o Departamento de Economia e o Departamento de Administração.

A distribuição dos novos professores contratados para os cursos ofertados em consórcio leva em consideração a porcentagem de disciplinas ofertadas por cada departamento. No caso do novo curso noturno de Museologia, por exemplo, a maior parte dos créditos é oferecida pelo Centro de Informação e Documentação, que receberá mais professores. As demais contratações serão distribuídas proporcionalmente entre o Departamento de Economia, Administração e Contabilidade.

Infra-estrutura para receber os novos cursos

O Governo Federal já liberou R$18 milhões para a UnB investir em obras de infra-estrutura, apenas no Campus Darcy Ribeiro. Foram comprados 30 veículos para auxiliar os alunos em trabalhos de campo e outras viagens. Alguns anfiteatros já estão fechados para reformas, assim como algumas salas espalhadas pelo campus. A conclusão dessas obras está prevista para o meio do ano. Também será implementado o projeto de construção de um Bloco de Ensino, parecido com os Pavilhões já presentes no campus, onde terão salas de aula, laboratórios e salas de estudo.

Para o estudante Raul Cardoso, “o maior problema não está na precariedade da estrutura das salas de aula, e sim no que diz respeito à assistência estudantil. Esse semestre, por exemplo, não foram oferecidas vagas para novos moradores da Casa do Estudante, o que é um absurdo”. O Restaurante Universitário (RU) e a Casa do Estudante (CEU) ainda não tiveram sua expansão iniciada. O RU está em reforma desde as férias de verão, e a Câmara de Assuntos Comunitários ainda está discutindo os reparos da CEU a serem realizados nesse semestre. A construção de um novo RU e uma nova moradia para os estudantes devem começar ainda neste ano.

domingo, abril 12, 2009

"Gribada"

Lembrança gostosa:
Nem só com própolis, mel, chazinho, paracetamol e cobertas se cura uma gripe.
Bons amigos são os melhores remédios pra chuva que cai lá fora;
... e do meu nariz.

De prós e contras pro ar!

I'm just tired of falling for people and watching them standing still, right in front of me.

E o vice-versa é verdadeiro. Ah, que mal tem em se deixar levar? Mal nenhum, eu sei. E não é essa a questão. Pelo menos não comigo. Ao contrário: não é que eu pese os prós e os contras e decida "oh, veja bem, é melhor pararmos por aqui". Eu simplesmente perco os prós de vista (se é que já os tinha avistado) e, sem a menor vontade de prosseguir, paro o que nem começara.

Eis que, quando um belo instante eu não apenas enxergo os prós, como ignoro todos os contras, o tal do príncipe encantado vira o feitiço contra a feiticeira - que, acredite se quiser, não passa de uma florzinha do campo!

Abracadabra, pirim plim plim... Num passo de mágica, eu desisto, tu desistes, nós desistimos. Assim, ninguém dá a cara a tapas, tem o coração partido, chora rios Amazonas ou São Francisco... ou, muito menos, é feliz para sempre. Ou por um instante que seja.

"The worst mistake that you can make is to think you're alive when really you're asleep in life's waiting room." (waking life)

sexta-feira, março 20, 2009

Como dizia o poeta...

por Vinícius de Moraes

Quem já passou
Por esta vida e não viveu
Pode ser mais, mas sabe menos do que eu
Porque a vida só se dá
Pra quem se deu
Pra quem amou, pra quem chorou
Pra quem sofreu, ai

Quem nunca curtiu uma paixão
Nunca vai ter nada, não

Não há mal pior
Do que a descrença
Mesmo o amor que não compensa
É melhor que a solidão

Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair
Pra que somar se a gente pode dividir?
Eu francamente já não quero nem saber
De quem não vai porque tem medo de sofrer

Ai de quem não rasga o coração
Esse não vai ter perdão

sábado, março 14, 2009

Hematomas

Um pensamento, um beliscão
Um pensamento, um beliscão

De tanto pensar no impensável,
fiquei com um roxão.

segunda-feira, março 09, 2009

Eu quero é viver em paz....

de Djavan, por Mart'nália

Eu quero ver
Você mandar na razão
Prá mim não é
Qualquer notícia
Que abala o coração...

Se toda hora é hora
De dar decisão
Eu falo agora
No fundo eu julgo o mundo
Um fato consumado
E vou-me embora
Não quero mais
De mais a mais
Me aprofundar
Nessa história
Arreio os meus anseios
Perco o veio
E vivo de memória...

Eu quero é viver em paz
Por favor me beija a boca
Que louca, que louca!...

terça-feira, fevereiro 24, 2009

Ô jardineira!

"Ô Jardineira por que estás tão triste?
Mas o que foi que te aconteceu?
Foi a camélia que caiu do vaso,
deu dois suspiros,
e depois morreu...

Ô Jardineira, ô meu amor...
Não fique triste que esse mundo é todo seu,
tu és muito mais bonita que a camélia que morreu!"

carnavalescando!

Quoting "Before Sunrise"

“There’s all these people talking about how great technology is and how it saves all this time but what good is saved time if nobody uses it?”

“I always think that I’m still this 13-year old boy that doesn’t really know how to be an adult, pretending to live my life, taking notes for when I’ll really have to do it.”

“If there's any kind of magic in this world it must be in the attempt of understanding someone sharing something. I know, it's almost impossible to succeed but who cares really? The answer must be in the attempt.”

quarta-feira, fevereiro 18, 2009

Rifa-se um coração idealista

Por Clarice Lispector

"Rifa-se um coração
Um coração idealista
Um coração como poucos
Um coração à moda antiga.
Um coração moleque
Que insiste em pregar peças no seu usuário.

Rifa-se um coração
Que, na realidade, está pouco usado
Meio calejado, meio machucado
E que teima em alimentar sonhos e cultivar ilusões.
Um pouco inconseqüente
Que nunca desiste
Um leviano
E precipitado coração
Que acha que Tim Maia estava certo quando escreveu:
"Não quero dinheiro, quero amor sincero, isso é que eu espero!"
Um idealista
Um verdadeiro sonhador.

Rifa-se um coração
Que nunca aprende, que não endurece
E mantém sempre viva a esperança de ser feliz
Sendo simples e natural.
Um coração insensato
Que comanda o racional
Sendo louco o suficiente
Para se apaixonar.
Um furioso suicida
Que vive procurando
Relações e emoções verdadeiras.

Rifa-se um coração
Que insiste em cometer
Sempre os mesmos erros.
Esse coração
Que erra, que briga, se expõe
Perde o juízo por completo
Em nome de causas e paixões. Sai do sério e, às vezes,
Revê suas posições
Arrependido de palavras e gestos.
Este coração tantas vezes incompreendido
Tantas vezes provocado
Tantas vezes impulsivo
Um coração para ser alugado
Ou mesmo utilizado por quem gosta de emoções fortes. Um coração abastado
Indicado apenas para quem quer viver intensamente.
E, contra indicado para os que apenas pretendem passar pela vida
Defendendo-se das emoções.

Rifa-se um coração
Tão inocente
Que se mostra
Sem armaduras
E deixa louco
O seu usuário.
Um coração que, quando parar de bater, ouvirá seu usuário dizer:
"O senhor pode conferir, eu fiz tudo certo, só errei quando coloquei sentimento,
Só fiz bobagens e me dei mal quando ouvi este louco coração de criança,
Que insiste em não endurecer se recusa a envelhecer."

Rifa-se um coração
Ou até mesmo troca-se por outro que tenha um pouco mais de juízo,
Um órgão fiel ao seu usuário
Um "amigo do peito" que não maltrate tanto o ser que o abriga
Um coração que não seja tão inconseqüente.

Rifa-se um coração
Cego, surdo, mudo
Mas que incomoda um bocado.
Um verdadeiro caçador de aventuras que ainda não foi adotado.
Provavelmente, por se recusar a cultivar ares selvagens ou racionais
Por não querer perder o estilo.
Oferece-se um coração vadio, sem raça, sem pedigree.
Um simples coração humano,
Um impulsivo membro de comportamento até meio ultrapassado,
Um modelo cheio de defeitos que, mesmo estando fora do mercado, faz questão de não se modernizar.
Uma vez por outra constrange o corpo que domina.
Um velho coração que convence seu usuário a publicar seus segredos,
A ter a petulância de se aventurar como poeta."

quarta-feira, fevereiro 11, 2009

Surtos criativos

passando a limpo do folheto amarrotado, pra não esquecer:
- moradora de rua, sorriso de carnaval, escadarias de algum orgão público, na presidente vargas, marcha de abertura do fórum E morador de rua da Serzedêlo, murilo e o cocozão, risada sem graça, é um cavalo, animais no (ou do?) fórum.

- gato da delegacia - narração em primeira pessoa
cria da casa, sem ratos, "anda abusando, trazendo namoradas" diz delegado, toma um banho sob olhares curiosos
sem dono, ar condicionado e cadeira, senta-se imponente, cadeira do espirro, alergia a gatos
sai pelas ruas, toma banho de chuva, de sol, de lua e volta.

sábado, fevereiro 07, 2009

Cheia d'um nada

Me falta inspiração.

Expiro, inspiro.
Inspiro, expiro. Não sei ao certo o que expiro, se sinto não ter nada dentro de mim. É só mais um daqueles vazios cheios d'um nada arrebatador.

Também não espirro! Veja bem, meu bem, não é dessas doenças.
Mas minha cabeça fica de cama.
Não levanta por nada nesse mundo. Na fila do banco, tomando água de coco na praça, boiando no mar, rindo de piadas e ciladas... está sempre debaixo do travesseiro.
Passam-se as horas; os momentos áureos, prateados e cor daqueles burros quando fogem! A vida a se viver, a revolução a se fazer, os amores a se encontrar... tudo passa, pássaros grandes e pequeninos.

E minha cabeça, covarde, sem coragem de enfrentar o nada que insiste em aparecer: a falta de magia, a apatia, e a mediocridade intrínseca. O sol pode brilhar, Chico, cantar... e a gente até se emocionar.

Mas no fim das contas, quando o garçon nos coloca à sarjeta de sua espelunca, o que era dia vira noite, e da noite às vezes prefiriria que nem se (re)fizesse o dia.

quinta-feira, fevereiro 05, 2009

Brasil Com P

por GOG

Pesquisa publicada prova
Preferencialmente preto
Pobre prostituta pra polícia prender
Pare pense por quê?
Prossigo
Pelas periferias praticam perversidades
Pm's
Pelos palanques políticos prometem prometem
Pura palhaçada
Proveito próprio
Praias programas piscinas palmas
Pra periferia
Pânico pólvora pa pa pa
Primeira página
Preço pago
Pescoço peitos pulmões perfurados
Parece pouco
Pedro Paulo
Profissão pedreiro
Passatempo predileto
Pandeiro
Preso portando pó passou pelos piores pesadelos
Presídio porões problemas pessoais
Psicológicos perdeu parceiros passado presente
Pais parentes principais pertences
Pc
Político privilegiado preso parecia piada
Pagou propina pro plantão policial
Passou pelo porta principal
Posso parecer psicopata
Pivô pra perseguição
Prevejo populares portando pistolas
Pronunciando palavrões
Promotores públicos pedindo prisões
Pecado pena prisão perpétua
Palavras pronunciadas
Pelo poeta irmão..

Próxima Parte

…Papai pede pizza ,Papai!
Patricinha, pega pipoca!
Poxa papai, pede pizza!…
… pronto, pizzaria Pazianoto?
Prepara pizza, parte palmito, parte presunto.
Positivo, preparo!
…Papai, papai, papai…

Pelo presente pronunciamento, pedimos punição para peixes pequenos, poderosos pesos pesados.
Pedimos principalmente paixão pela pátria, prostituída pelos “picaretas” portugueses…
Previnimos, posição parcial poderá provocar protestos, paralizações, piquetes, pressão popular, preocupados?
Promovemos passeatas pacíficas, palestras, panfletamos, passamos perseguições, perigos por praça, palcos…
Proibido policiais petulantes, pressionavam? Pancadas, pauladas, pontapés, pangarés pisoteando, postulavam prêmios… pura pilantragem.
Padres, pastores, promoveram procissões pedindo piedade, paciência para população, parábolas profecias, prometiam pétalas, paraíso predominou predador.
Paramos pensamos, profundamente: Porque pobre pesa plástico, papelão, pelo pingado , passagem, pelo pão; porque proliferam pragas, pestes pelo país, por que, presidente?
Para a pricesinha patricinha, prestígio, patrocínio, progresso, patrimônios, propriedades, palacetes, porcelanas, perfumes, pérolas, plásticas, plumas, paetê?
Porque prosseguem para plebeu predestinado, pranto, perfurações, pêsames, puseira parapulso, pia, pueira, pedrada, pagar prestação por prestação, parceiros paralíticos, paraplégicos, prostituição.
Personalidades públicas poderiam presionar! Permanecem paralizadas, procedimento padrão?
Parabéns. Peço permissão para perguntar, porque pele preta, postura parda?
Pô pensador pisou, pior, pousou para playboys, para platéias. Peço postura, personalidade; para parceiros para parceiras. Presidente, palmares proclama: Primeiro, presença popular permanente.
Proposta? Pente por pente, pipoco por pipoco, paredão para os parasitas.

segunda-feira, janeiro 12, 2009

por Arnaldo Antunes

"Vai sem direção
Vai ser livre
A tristeza não
Não resiste
Jogue seus cabelos no vento
Não olhe pra trás
Ouça o barulhinho que o tempo
No seu peito faz
Faça sua dor dançar
Atenção para escutar
Esse movimento que traz paz
Cada folha que cair
Cada nuvem que passar
Deixa a terra respirar
Pelas portas e janelas das casas
Atenção para escutar
O que você quer saber de verdade"

domingo, janeiro 04, 2009

Quoting Emma

Ahhh... as maravilhas de um bom romance, que só Jane Austen escreve para você!
Sonhos, sorrisos, borboletas no estômago, seja em Jane Fairfax & Frank Churchill, Harriet Smith & Robert Martin ou Emma Woodhouse & George Knightley.

...

"Mr. Weston's ball was to be a real thing. A very few tomorrows stood between the young people of Highbury and happiness." p. 207

"Me oft has fancy, ludicrous and wild,
Sooth'd with a waking dream of houses, tow'rs,
Trees, churches, and strange visages, express'd
In the red cinders, with with poring eye
I gaz'd, myself creating what I saw." p.224

"I cannot make speeches, Emma:" - he soon resumed; and in a tone of such sincere, decided, intelligible tenderness as was tolerably convincing. - "If I loved you less, I might be able to talk about it more. But you know what I am. - You hear nothing but truth from me. - I have blamed you, and lectured you, and you have borne it as no other woman in England would have borne it. - Bear with the truths I would tell you now, dearest Emma, as well as you have borne with them. The manner, perhaps, may have as little to recommend them. God knows, I have been a very indifferent lover. - But you understand me. - Yes, you see, you understand my feelings - and will return them if you can. At present, I ask you only to hear, once to hear your voice." p.282

"Seldom, very seldom, does complete truth belong to any human disclosure; seldom can it happen that something is not a little disguised, or a little mistaken; but where, as in this case, though the conduct is mistaken, the feelings are not, it may not be very material. - Mr. Knightley could not impute to Emma a more relenting heart than she possessed, or a heart more disposed to accept of his." p.283

"He had found her agitated and low. - Frank Churchill was a villain. - He heard her declare that she had never loved him. Frank Churchill's character was not desperate. - She was his own Emma, by hand and word, when they returned into the house; as if he could have thought of Frank Churchill then, he might have deemed him a very good sorf of fellow." p.284

quinta-feira, janeiro 01, 2009

Receita para viver 100 anos

por Maitena

Amar: Sim
Rir: Muito (principalmente de si mesmo)
Comer: Pouco (mas de tudo)
Caminhar: Sempre (e sair para passear)
Tomar vinho: Com moderação (e algum excesso)
Ir ao médico: O mínimo necessário (sempre acham alguma coisa em você)

°°°°°

Limpar medos, jogar fora os preconceitos
Deixar de lado o ciúme e os rancores
Preservar a criança que sempre há na gente

Cortar bem fino e com paciência
Bater com energia, refogar com coragem
Acrescentar generosidade
Amassar com as mãos
Levar o desejo ao ponto de ebulição

Ralar uma pitada de loucura
Temperar com vida interior
E perfumar com amigos
Unir com trabalho e diversão
Deixar descansar

Pode-se acompanhar com música e/ou crianças
Decorar com bom humor
E servir com alegria

Mexa! Junte! Destampe! Misture!